Teorizando o som “ruim”: o que põe o mumble no mumblecore?

Nessa Johnston, Ramayana Lira de Sousa (Translator)

Research output: Contribution to journalArticle

6 Downloads (Pure)

Abstract

O mumblecore foi um ciclo de filmes independentes e de baixo orçamento feitos nos Estados Unidos, produzidos geralmente em vídeo digital e que surgiram em meados dos anos 2000. O rótulo bem humorado, mas também pejorativo, foi cunhado por um técnico de som e permanece desde então. Contudo, apesar do mumblecore ter sido nomeado com referência ao som, há pouca análise, seja acadêmica ou jornalística, de suas trilhas sonoras para além da crítica à qualidade “ruim" do som. Este artigo explora como o som ruim do mumblecore opera como uma marca de sua distintiva, e talvez excessiva, característica de cinema independente. Apresenta, também, uma avaliação da categorização estilística do mumblecore feita na academia e na imprensa, o que permite contextualizar a análise audiovisual de vários filmes mumblecore, enfatizando principalmente as propriedades não- semânticas das trilhas sonoras. O objetivo é discutir afirmações que cercam o papel da trilha sonora e determinar o que se quer dizer quando se define que o som do mumblecore é “ruim” - em outras palavras, o que põe o mumble no mumblecore
Original languageEnglish
Pages (from-to)419-450
JournalREBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual
Volume5
Issue number1
Publication statusPublished - 12 Aug 2016

Fingerprint

opera
cinema

Keywords

  • Mumblecore
  • Trilha sonora
  • Cinema independente

Cite this

@article{cc6b6dab74c24a5b965720b8f3bbac36,
title = "Teorizando o som “ruim”: o que p{\~o}e o mumble no mumblecore?",
abstract = "O mumblecore foi um ciclo de filmes independentes e de baixo or{\cc}amento feitos nos Estados Unidos, produzidos geralmente em v{\'i}deo digital e que surgiram em meados dos anos 2000. O r{\'o}tulo bem humorado, mas tamb{\'e}m pejorativo, foi cunhado por um t{\'e}cnico de som e permanece desde ent{\~a}o. Contudo, apesar do mumblecore ter sido nomeado com refer{\^e}ncia ao som, h{\'a} pouca an{\'a}lise, seja acad{\^e}mica ou jornal{\'i}stica, de suas trilhas sonoras para al{\'e}m da cr{\'i}tica {\`a} qualidade “ruim{"} do som. Este artigo explora como o som ruim do mumblecore opera como uma marca de sua distintiva, e talvez excessiva, caracter{\'i}stica de cinema independente. Apresenta, tamb{\'e}m, uma avalia{\cc}{\~a}o da categoriza{\cc}{\~a}o estil{\'i}stica do mumblecore feita na academia e na imprensa, o que permite contextualizar a an{\'a}lise audiovisual de v{\'a}rios filmes mumblecore, enfatizando principalmente as propriedades n{\~a}o- sem{\^a}nticas das trilhas sonoras. O objetivo {\'e} discutir afirma{\cc}{\~o}es que cercam o papel da trilha sonora e determinar o que se quer dizer quando se define que o som do mumblecore {\'e} “ruim” - em outras palavras, o que p{\~o}e o mumble no mumblecore",
keywords = "Mumblecore, Trilha sonora, Cinema independente",
author = "Nessa Johnston and {Lira de Sousa}, Ramayana",
note = "First published as “Theorizing ‘Bad' Sound: What Puts the Mumble into Mumblecore?” by Nessa Johnston from the Velvet Light Trap 74, pp. 67-79. Copyright {\circledC} 2014 by the University of Texas Press. All rights reserved.",
year = "2016",
month = "8",
day = "12",
language = "English",
volume = "5",
pages = "419--450",
journal = "REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual",
issn = "2316-9230",
publisher = "SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual",
number = "1",

}

Teorizando o som “ruim”: o que põe o mumble no mumblecore? / Johnston, Nessa; Lira de Sousa, Ramayana (Translator).

In: REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, Vol. 5, No. 1, 12.08.2016, p. 419-450.

Research output: Contribution to journalArticle

TY - JOUR

T1 - Teorizando o som “ruim”: o que põe o mumble no mumblecore?

AU - Johnston, Nessa

A2 - Lira de Sousa, Ramayana

N1 - First published as “Theorizing ‘Bad' Sound: What Puts the Mumble into Mumblecore?” by Nessa Johnston from the Velvet Light Trap 74, pp. 67-79. Copyright © 2014 by the University of Texas Press. All rights reserved.

PY - 2016/8/12

Y1 - 2016/8/12

N2 - O mumblecore foi um ciclo de filmes independentes e de baixo orçamento feitos nos Estados Unidos, produzidos geralmente em vídeo digital e que surgiram em meados dos anos 2000. O rótulo bem humorado, mas também pejorativo, foi cunhado por um técnico de som e permanece desde então. Contudo, apesar do mumblecore ter sido nomeado com referência ao som, há pouca análise, seja acadêmica ou jornalística, de suas trilhas sonoras para além da crítica à qualidade “ruim" do som. Este artigo explora como o som ruim do mumblecore opera como uma marca de sua distintiva, e talvez excessiva, característica de cinema independente. Apresenta, também, uma avaliação da categorização estilística do mumblecore feita na academia e na imprensa, o que permite contextualizar a análise audiovisual de vários filmes mumblecore, enfatizando principalmente as propriedades não- semânticas das trilhas sonoras. O objetivo é discutir afirmações que cercam o papel da trilha sonora e determinar o que se quer dizer quando se define que o som do mumblecore é “ruim” - em outras palavras, o que põe o mumble no mumblecore

AB - O mumblecore foi um ciclo de filmes independentes e de baixo orçamento feitos nos Estados Unidos, produzidos geralmente em vídeo digital e que surgiram em meados dos anos 2000. O rótulo bem humorado, mas também pejorativo, foi cunhado por um técnico de som e permanece desde então. Contudo, apesar do mumblecore ter sido nomeado com referência ao som, há pouca análise, seja acadêmica ou jornalística, de suas trilhas sonoras para além da crítica à qualidade “ruim" do som. Este artigo explora como o som ruim do mumblecore opera como uma marca de sua distintiva, e talvez excessiva, característica de cinema independente. Apresenta, também, uma avaliação da categorização estilística do mumblecore feita na academia e na imprensa, o que permite contextualizar a análise audiovisual de vários filmes mumblecore, enfatizando principalmente as propriedades não- semânticas das trilhas sonoras. O objetivo é discutir afirmações que cercam o papel da trilha sonora e determinar o que se quer dizer quando se define que o som do mumblecore é “ruim” - em outras palavras, o que põe o mumble no mumblecore

KW - Mumblecore

KW - Trilha sonora

KW - Cinema independente

UR - http://www2.socine.org.br/

UR - https://rebeca.socine.org.br/1/index

M3 - Article

VL - 5

SP - 419

EP - 450

JO - REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

JF - REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

SN - 2316-9230

IS - 1

ER -